Concerto de musica clássica japonesa

(Arte: Katsushika Ōi  (1800–1866) / Three Women Playing Musical Instruments)

 

16/08 (terça-feira), 16h às 18h

Apresentação musical

Local: Auditório da Casa de Cultura Japonesa (119 lugares / sem necessidade de inscrição)


Resumo:

"Sankyoku" significa "música a três", ou seja, em nossa linguagem musical, "trio musical".  Esse grupo com os instrumentos shakuhachi, koto e shamisen tornou-se a formação básica para as apresentações musicais envolvendo o repertorio clássico e moderno.

Em nosso concerto, usaremos esse conceito para apresentar um repertorio que vai do século XV ao século XX, mostrando um pouco do universo da música japonesa, que teve uma forte influência da música chinesa, porém, adquirindo uma identidade própria com modificações nos instrumentos e as diferentes formas de ensino que a tradição oral foi moldando através dos anos.

Formação:

  • shakuhachi - Shen Kyomei Ribeiro
  • koto - Tamie Kitahara
  • shamisen - Kooi Kawazoe

Programa:

  • Honkyoku - shakuhachi solo
  • Rokudan
  • Kurokami
  • Shina no ji 
  • Haru no umi
  • Tooryanse

Shen Ribeiro (Shen Kyomei)


Natural de Botucatu, cedo começou a sua aprendizagem musical através do canto comunitário. Aos 15 anos, inicia o estudo de flauta doce (recorder), piano e canto coral no Conservatório de Música do Instituto Santa Marcelina em sua terra natal. Em1982, ingressou no Coral da Universidade de São Paulo onde estudou técnica vocal e regência. Posteriormente, iniciou o curso de flauta transversal no Conservatório de música Brooklin Paulista, São Paulo. Em 1987, partiu para o Japão, para especializar-se no estudo do Shakuhachi e cultura tradicional japonesa. Passou pela Universidade de Belas Artes de Tóquio e foi um discípulo direto do Professor e Mestre Goro Yamaguchi (Tesouro Nacional Japonês). Com uma extensa atuação musical, nacional e internacional, criou o selo MEXMUSIC, para editar trabalhos musicais de qualidade com objetivos culturais. Como concertista, apresentou-se em inúmeras salas de concertos no Brasil, Japão e Europa, interpretando um repertório muito variado de estilos e autores, e confraternizando temas clássicos, populares e tradicionais. O tema de seu trabalho é a comunhão das pessoas através das diferentes sonoridades das flautas que toca. A universalidade e o não preconceito e a humanização estão sempre presentes nas suas interpretações musicais. Anualmente tem realizado concertos e intercâmbios com o Japão, em parceria com a Embaixada do Brasil em Tóquio, Consulado do Japão em São Paulo e Fundação Japão. Participou dos encerramentos das Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro interpretando “Canto de Xango”, de Baden Powell, ao shakuhachi.


Tami Kitahara 

A professora Tamie Kitahara nasceu no Japão na província de Yamaguchi, na cidade de Ube, e veio para o Brasil em 1955. Durante sua infância, estudou koto no estilo Ikuta-Ryu e, desde 1982, dedica-se ao estilo Ikuta-Seiha. A partir de 1982, viajou várias vezes ao Japão para aperfeiçoamento nas técnicas dos instrumentos koto e shamisen. Em 1982, ganhou concurso de Minyo (música folclórica japonesa) indo para o Japão e cantando no teatro Budo kan em Tokyo. Em 1996, foi aprovada em exame de aperfeiçoamento, tornando-se mestra e recebendo então o nome artístico Utahito, da escola Ikuta Seiha do Japão. Entre 1995 a 2011, esteve no Chile, na Venezuela, no Paraguai e na Bolívia, a convite das respectivas embaixadas para apresentar músicas tradicionais japonesas. Em 2003 e em 2013, foi ao Japão para participar das apresentações em comemoração dos 90 e 100 anos de fundação da escola Seiha do Japão. No Brasil, tem se apresentado com vários músicos e artistas brasileiros de renome como Camilo Carrara, Shen Ribeiro, Gabriel Levy,  Ângela Nagai, Valéria Zaidan, Paulo Tatit e com o grupo Mawaca. Atualmente, é representante do grupo Seiha Brasil de Koto, com 30 membros. Anualmente, são realizadas apresentações do grupo para difundir a cultura japonesa.


Kooi Kawazoe


Compositor, instrumentista e pesquisador. Iniciou seus estudos no Conservatório Souza Lima, no curso de guitarra e violão. Ingressou  para o universo da música tradicional japonesa no ano de 2009, orientado pela mestra Kitahara Tamie nos instrumentos shamisen e koto. Viajou duas vezes para o Japão para fazer estudos de  aperfeiçoamento nos instrumentos com as renomadas professoras e  mestras Kakui Setsuko e Nakashima Kazuko. Graduou-se em  composição pela Escola de Comunicação e Artes da USP, orientado pelo  Prof. Dr. Fernando Iazzetta, onde fez parte do grupo de pesquisa Mobile e do núcleo de pesquisa NUSOM, participando de concertos, seminários e palestras voltadas à música experimental, à música eletroacústica e à música mediada por tecnologias. Realiza diversos  trabalhos, concertos e gravações em locais como: MASP, SESC, CCSP,  USP, MIS, Rede Globo, Netflix e outros, assim como participações em  performances e grupos, dentro e fora do país.